A matemática a favor da descentralização

Por: Paulo Garcia

 Anteriormente produzi textos com motivos abordando incentivos, do porquê os métodos privados tenderem a ser, e eventualmente de fato serem, superiores aos serviços providos pelo estado, que necessita dos meios políticos para a obtenção de recursos [1]. Mesmo tendo em vista que, todo esse assunto já seria determinado a favor do método privado por questões éticas e lógicas, devo continuar por algum tempo em argumentos utilitários, por questões de informações facilmente acessíveis, principalmente à um nicho específico de leitores.

 Dessa vez, trago um argumento através da probabilidade, mais especificamente, do insight da “Lei dos Grandes Números” em favor de meus pontos. Antes, alguns detalhes precisam ser ressaltados. Os argumentos apresentados aqui virão do insight da lei dos grandes números e da probabilidade em geral, aplicados ao meu argumento; não da sua teoria toda aplicada em outras formas de experiências (muito menos em engenharia social). Em segundo, é necessário ter em mente que serviços provindos do estado, na prática, necessariamente serão acompanhados de monopólios e/ou regulamentações (que formariam um pequeno oligopólio no setor). E em terceiro, nem de longe sou um empirista (e é necessário não confundir empirismo com método empírico).

 O insight da lei dos grandes números – e que envolve toda a probabilidade em si – é o seguinte: quanto mais tentativas de se chegar à um resultado forem realizadas (lembrando-se que, de certa forma, o número de resultados possíveis é limitado), em média, há uma maior chance de se chegar (ou produzir) ao resultado desejado. Porém, essa conclusão sobre a LGN (Lei dos Grandes Números) deve ser acompanhada de deduções e metodologias lógicas, que direcionem essas buscas corretamente ao objetivo desejado.

 Em outras palavras, é necessária uma mentalidade certa na busca da obtenção de um resultado (não quero expandir o assunto sobre o que seria uma mentalidade certa, pois teria que adentrar profundamente em filosofia, o que não é o objetivo do texto), já que não adiantaria, por exemplo (um exemplo simples), chutar 40 vezes uma bola para a esquerda, desejando que ela vá para a direita.

 Aplicando isso à serviços e produtos, temos duas questões do porquê esse insight corrobora comigo: (1) Pessoas possuem características pessoais, particularidades, individualidades (chame como quiser), e vão desejar produtos e serviços que satisfaçam essas diferenças particulares; e (2) o mesmo ocorre com empreendedores, e essas particularidades ajudarão os mesmos a obter resultados diferentes, que poderão, dentro de suas capacidades, ser cada vez mais próximos da satisfação de diferentes tipos de clientelas.

 E qual a conclusão disso? Como disse antes, regulações, mercados fechados, e empresas estatais, exigem necessariamente, uma concentração forçada de recursos no mercado, e consequentemente, diminuição resultados (por haver cada vez menos pessoas PODENDO atuar na busca de produtos, serviços e soluções novas). Por outro lado, a descentralização, desregulamentação, e ausência de impostos, fornece uma liberdade de empreendimento e novas produções criativas, o que, de acordo com o insight trazido nesse texto, favorece cada vez mais (além dos incentivos citados em outros textos) a possibilidade de satisfação – e inovação – no mercado.

 Para finalizar, imaginem se existisse a ChineloBras, monopolizando, e assim determinando toda a produção, modelo, material, forma e tamanho dos chinelos produzidos no Brasil. Provavelmente, chegaríamos à um cenário em que a maioria passaria a usar Crocs [2] como alternativa.

Livres rompe com PSL após acordo com Jair Bolsonaro

O Livres, corrente liberal do PSL liderada por Fábio Ostermann acaba de fazer um pronunciamento rompendo com a sigla após seu presidente, Luciano Bivar anunciar um acordo para Jair Bolsonaro disputar a presidência da república pelo partido.

Diversos membros nas redes sociais tem chamado o Livres para se integrar ao Partido Novo.

Há acusações de ambas as partes, os seguidores do Bolsonaro sempre chamaram o PSL de “PSOL da direita” e o pessoal do Livres sempre repudiou as declarações e posições de Jair Bolsonaro. E você, de qual lado está nessa história?

Daniel Fraga-Uma Luta pela liberdade de expressão

Durante as eleições para prefeito em 2012, o paulistano Daniel Fraga publicou um vídeo no Youtube criticando um candidato à prefeitode São José dos Campos. O vídeo em questão comentava o fato do candidato requisitar ao judiciário um mandato para remover memes negativos contra a sua campanha, os quais estavam fazendo sucesso no Facebook.

No vídeo, ele também criticou o juiz que acatou a exigência do candidato e deu a ordem de tirar da rede diversos memes famosos. Além disso, o juiz em questão também estabeleceu uma multa para qualquer um que continuasse a publicar e compartilhar os conteúdos “ofensivos”. Fraga continuou gravando mais vídeos sobre a situação, e o juiz o processou, solicitando uma indenização por “danos morais”. Começava a luta de Daniel Fraga pela liberdade de expressão.

A liberdade de expressão e o direito de criticar

Mesmo com os processos, Fraga não recuou e gravou outro vídeo acusando o juiz de tentar censurar seu conteúdo do YouTube. Além disso, Fraga também se recusou a tirar o vídeo original. Ele incentivou seus seguidores a baixarem e reenviarem o vídeo para todas as mídias sociais, a fim de aumentar a conscientização sobre a sua situação. Ele também fez várias declarações deixando claro que ele não tinha a intenção de dar um único centavo ao juiz para reparar danos.

Como Fraga não poderia ser preso por simplesmente gravar vídeos, o  juiz tentou usar o poder de extorsão para silenciar e censurar Fraga. Ele exigiu o pagamento de uma multa de 5000 mil reais para cada vídeo feito sobre o tema. Em uma nova gravação, Fraga perguntou ao juiz se ele estava familiarizado com o Bitcoin. Ele mencionou que, se ele convertesse todo o seu dinheiro para a criptomoeda, o seu patrimônio seria praticamente intocável pelo governo ou por qualquer outra pessoa. Neste vídeo, Fraga desejou “boa sorte ao juiz para tentar acessar a minha carteira de Bitcoin“.

Com raiva, o juiz aumentou a censura e pediu “segredo da justiça” no caso. Basicamente, Fraga estava teoricamente proibido de comentar publicamente qualquer coisa sobre o processo. Naturalmente, as ameaças só serviram para incentivar Fraga a continuar fazendo mais vídeos. Embora ele soubesse que as probabilidades estavam contra ele e que o caso provavelmente seria perdido, ele se recusou a capitular.

Fraga não apenas denunciava a corrupção dentro do sistema judiciário, como também mencionava publicamente todos os nomes das pessoas envolvidas no seu processo e exortava os seguidores preocupados com a liberdade de expressão a fazerem chamadas e enviarem e-mails para os perpetradores da campanha de censura contra ele.

Depois de toda a pressão e exposição, o juiz finalmente desistiu e retirou o processo. Uma grande vitória para Fraga e para a liberdade.

Um novo processo e a vitória final de Daniel Fraga

Vendo o Bitcoin como uma tecnologia revolucionária e disruptiva, Daniel Fraga transformou todo o seu patrimônio pessoal em Bitcoin.Na época, a moeda ainda era pouco conhecida e não aparecia em nenhuma classificação jurídica brasileira.

No ano de 2014, ele foi novamente processado, dessa vez por um político do Rio do Janeiro. Mais uma vez, ocorreram ameaças de confisco financeiro e censura contra o seu canal no YouTube. Diferentemente do caso anterior, dessa vez o político venceu o caso na justiça. Logo foi emitido um mandato autorizando o confisco de todo o dinheiro necessário para pagar os danos morais e os processos judiciais.

Porém, para a surpresa do político e dos demais envolvidos, quando a conta bancária de Fraga foi congelada e confiscada, o único dinheiro para ser tirado era um saldo simbólico de 15 reais. Tudo já havia sido convertido em Bitcoin há bastante tempo.

Com essa operação, Daniel Fraga não apenas conseguiu proteger todo o seu patrimônio pessoal, como também multiplicouenormemente o seu capital financeiro. Por meio das datas dos vídeos de seu canal, é possível estimar que a conversão total do seu patrimônio para bitcoins tenha ocorrido durante a metade de 2013, quando o a moeda digital valia pouco menos que 100 dólares. Hoje, a cotação é de mais de 4000 USD.

A história de Daniel Fraga encoraja as pessoas do mundo todo a lutarem contra a tirania e a injustiça. Mas além disso, também mostra o grande potencial disruptivo das criptomoedas. Muitas pessoas podem tentar subverter e limitar o potencial das moedas digitais. Porém, devido à sua natureza descentralizada, criptografada e livre, elas continuarão sendo uma tecnologia revolucionária na luta pela liberdade de expressão e contra os abusos de estado.

Escrito por Diéferson Bandinelli

Não abandone a ética!

Escrevi esse texto para um amigo, quando ele me disse:
“-Tem de comer pelas beiradas né, convencer um soça a um estado menor já é um puta avanço.” e eu respondi:
Concordo meu amigo, tem sim que comer pelas beiradas.

Porém, o problema é que comer pelas beiradas com gradualismo vai ser o seguinte:
Diminuindo o estado, obviamente que os políticos daqui não largam o osso assim fácil, pelo método gradualista vai demorar algumas décadas, até chegar no ponto em que o estado só cuida do “essencial” (sendo que todos sabemos que o estado é incapaz de gerir esterco sem desperdício e ainda assim os liberais acham que o estado deve cuidar do essencial).

O estado vai estar cuidando “somente” da saúde, educação, segurança e justiça. Segurança e justiça, o estado, se depender dele, sempre vai cuidar, daí pra frente só o separatismo vai resolver para diminuir o estado mais ainda, aí leva umas décadas para chegar ao limite do separatismo que é o “ancapistão”, separatismo no nível individual.

Porém, isso sim é utópico, acreditar que por meio da política vamos chegar perto disso.
Por isso temos os agoristas, que trabalham ou contribuem para minar o poder do estado onde mais lhe dói, no bolso.

Quando o estado perder o poder monetário e poder de fogo (contrabando também é agorismo) vamos estar livres de uma consumação de poder pela esquerda através da política (eles só voltam se tentarem o “golpe por armas”).

E o bastião de todo poder, é a consciência. Não adianta de nada, termos o gradualismo e o agorismo atuando, se as pessoas não entenderem o mal que é relativizar a iniciação de agressão ao indivíduo.

Quando as pessoas entenderem que a propriedade privada deve ser “sagrada”, que coerção por meio de agressão é crime em todos os níveis e que o único direito que existe eticamente é o direito à propriedade (propriedade, vida e liberdade*{lembrando que liberdade no limite da própria liberdade das leis éticas e da física}), somente então as pessoas vão estar preparadas para a vida adulta (se livrar de governança coercitiva), sendo que até então estavam sob a tutela de pais violentos, agressivos, incompetentes, anti éticos, ignorantes, que não se preocupavam nem um pouco ou tinham capacidade para educar seus filhos, dar saúde à eles, sequer eram pais biológicos, pois simplesmente receberam esses filhos por “obrigação” e enquanto tinham esses filhos que tratavam dessa maneira, tinham outros filhos que eram escolhidos a dedo (corporativismo e amigos do rei) que eram tratados com todas as regalias disponíveis.

Quando o povo estiver preparado para sair do “cuidado” desses pais, será o momento em que todos estarão preparados para viver sob a ética libertária, onde não aceitarão mais o aparecimento desses “pais” ou de “tios” ou de qualquer entidade que queira promover escravidão institucionalizada novamente.

Pois hoje, as pessoas sabem que tem algo de errado, se param para pensar um pouco elas ainda dizem: “-está bem, o estado é o culpado, mas eu vou fazer o que? votar não adianta, vou pegar em armas? deixa quieto” com essa mentalidade atual não estão preparados sequer para eleger um candidato “libertário”.

Portanto nunca devemos deixar o lado purista para trás, e devemos dar valor aos brutalistas, pois se o fizermos, e dependermos apenas do gradualismo e do agorismo, chegaremos em níveis de governo e “níveis de pensamento político” já conhecidos.

Não estou tirando isso da minha cabeça, mas veja por exemplo o movimento libertário nos EUA, não existe mais o libertarianismo puro, lá libertário é minarquista e liberal é esquerda.

Nos países que conseguiram atingir níveis liberais economicamente, cresceram, a população ficou rica, mas aí abriu precedente para a instauração do “socialismo”, como por exemplo Canadá e os países nórdicos, onde agora, depois de o país ficar “rico”, os socialistas aproveitaram a deixa para fazer média com as “minorias”

Na Suécia vemos a abertura de pernas para tudo o que é vitimismo, e agora o dinheiro está acabando, pois todo mundo quer viver de welfare state (em maioria refugiados)
E esse ciclo se torna infinito, riqueza>fartura>socialismo>pobreza>liberalismo economico>riqueza.

Porque as pessoas com o passar do tempo, se esquecem e o gramscianismo toma conta.
Então não é o fato de nós libertários termos que aceitar que o gradualismo e os minarquistas são o caminho para sairmos da lama, é o libertarianismo puro que vai desatolar o “minarquismo” quando ele perceber que não está mais saindo do lugar e a lama está puxando de volta.

Todas essas ferramentas são importantes, mas minarquismo não é o fim e gradualismo não é o mais importante (só porque tem os engravatados que falam bonito tomando a frente)

A ética deve prevalecer, e tem que ser a ética pura, não a de floreios e meias verdades. É impossível acreditar que um dia todas as pessoas vão seguir a ética libertária, mas não precisa disso, pois hoje a maioria das pessoas sequer seguem ou sabem o que é ética, e fazem o possível para burlar as leis e dar um jeito, então é impossível alcançar a plenitude ética.

Para isso temos o ancapistão como objetivo, não é necessário todos terem a ética como guia, talvez nem a maioria, mas que seja algo que as pessoas entendam, como hoje acontece, que no mínimo existe punição para quem burlar as leis, naturais ou privadas.

Não será perfeito, terá pobreza, morte, mas não terá guerras, porque as pessoas vão ter que ir para a guerra por vontade própria, e com seu próprio dinheiro, e guerras são caras, e eu duvido muito que mais de meia dúzia de psicopatas vão querer se matar para fazer cerco em um território.

E com a tecnologia e o livre mercado atuando, até os pobres vão viver melhores do que os ricos de hoje(Hoje por exemplo, eu vivo melhor que um rei na idade média, muito melhor inclusive) E os “pobres de favela” de hoje tem acesso até à smartphones, enquanto 99% das pessoas a 200 anos atrás viviam como mendigos de hoje.

Mas isso só acontece se a ética for espalhada, não só o liberalismo econômico ou estado mínimo (como ideologias), pois os indivíduos como um todo ainda são crianças despreparadas para sair das garras desses pais (insert here um monte de adjetivos do estado)

Acho que deu para entender.

-Zé Carlos Zabara

Jesus e os impostos

Levi (Mateus)

Este pequeno artigo não tem a intenção de ser referência teológica para um tema tão controverso como esse: o cristianismo e os impostos.

Você não precisa crer no Jesus (Deus) nem ao menos, no Jesus (histórico) mas tão somente entender a mensagem bíblica ao ponto que, ela de forma alguma legitima o espólio institucionalizado.

Jesus e a sociedade da época, entendiam como erro o fardo lançado as costas das pessoas pelo Estado, no entanto, a intervenção que Jesus fazia era tão somente no campo espiritual, convidando o pecador a conversão.

Total atenção deve ser dada ao que os próprios cobradores de impostos achavam de si mesmos: certeza de estarem em erro e consciência da prática de roubos.

Por isso, não cabe a quem quer que seja, em nome de Jesus, tentar legitimar os abusos cometidos pelo Estado que é tão somente, opção meramente humana.

Leia os dois trechos a baixo assista os vídeos e entenda melhor

“Mateus, vem e segue-me!”

LUCAS 5

27 Depois disso, Jesus saiu, e viu um cobrador de impostos chamado Levi, que estava na coletoria. Jesus disse para ele: “Segue-me!” 28 Levi deixou tudo, levantou-se, e seguiu a Jesus. 29 Depois, Levi preparou em casa um grande banquete para Jesus. Estava aí numerosa multidão de cobradores de impostos e outras pessoas sentadas à mesa com eles. 30 Os fariseus e seus doutores da Lei murmuravam, e diziam aos discípulos de Jesus: “Por que vocês comem e bebem com os cobradores de impostos e com pecadores?” 31 Jesus respondeu: “As pessoas que têm saúde não precisam de médico, mas só as que estão doentes. 32 Eu não vim para chamar justos, e sim pecadores para o arrependimento”.

 

“E se eu tirei de alguém, pagarei de volta tudo que roubei”

Lucas 19

“Jesus entrou em Jericó e ia atravessando a cidade. 2.Havia aí um homem muito rico chamado Zaqueu, chefe dos recebedores de impostos. 3.Ele procurava ver quem era Jesus, mas não o conseguia por causa da multidão, porque era de baixa estatura. 4.Ele correu adiante, subiu a um sicômoro para o ver, quando ele passasse por ali. 5.Chegando Jesus àquele lugar e levantando os olhos, viu-o e disse-lhe: Zaqueu, desce depressa, porque é preciso que eu fique hoje em tua casa. 6.Ele desceu a toda a pressa e recebeu-o alegremente. 7.Vendo isto, todos murmuravam e diziam: Ele vai hospedar-se em casa de um pecador… 8.Zaqueu, entretanto, de pé diante do Senhor, disse-lhe: Senhor, vou dar a metade dos meus bens aos pobres e, se tiver defraudado alguém, restituirei o quádruplo. 9.Disse-lhe Jesus: Hoje entrou a salvação nesta casa, porquanto também este é filho de Abraão. 10.Pois o Filho do Homem veio procurar e salvar o que estava perdido.”
São Lucas, 19 – Bíblia Católica Online

Leia mais em: http://www.bibliacatolica.com.br/biblia-ave-maria/sao-lucas/19/

Saiba como você pode se livrar, da punição imposta pela lei seca

É comum quando do início dos feriados prolongados, o noticiário ser inundado por matérias relacionadas ao trânsito. O ponto mais abordado sem dúvida, é quanto ao consumo de álcool por motoristas, e nesse contexto, surge no vocabulário insistente dos papagaios midiáticos, o termo estatista: LEI SECA.

O que é a Lei seca? 

Código de Trânsito Brasileiro

Art. 165

Dirigir sob a influência de álcool ou de qualquer outra substância psicoativa que determine dependência: (Redação dada pela Lei nº 11.705, de 2008)

Infração – gravíssima; (Redação dada pela Lei nº 11.705, de 2008)
Penalidade – multa (dez vezes) e suspensão do direito de dirigir por 12 (doze) meses. (Redação dada pela Lei nº 12.760, de 2012)
Medida administrativa – recolhimento do documento de habilitação e retenção do veículo, observado o disposto no § 4º do art. 270 da Lei no 9.503, de 23 de setembro de 1997 – do Código de Trânsito Brasileiro. (Redação dada pela Lei nº 12.760, de 2012)

Parágrafo único. Aplica-se em dobro a multa prevista no caput em caso de reincidência no período de até 12 (doze) meses. (Redação dada pela Lei nº 12.760, de 2012)

Art. 165-A. Recusar-se a ser submetido a teste, exame clínico, perícia ou outro procedimento que permita certificar influência de álcool ou outra substância psicoativa, na forma estabelecida pelo art. 277:
Infração – gravíssima;
Penalidade – multa (dez vezes) e suspensão do direito de dirigir por 12 (doze) meses;
Medida administrativa – recolhimento do documento de habilitação e retenção do veículo, observado o disposto no § 4º do art. 270.

Parágrafo único. Aplica-se em dobro a multa prevista no caput em caso de reincidência no período de até 12 (doze) meses.
(Artigo 165-A incluído pela Lei n. 13.281/16, em vigor a partir de 01/11/16)

Ou seja, se for pego, o condutor sera submetido ao que diz o artigo 165 do CTB. Voltando ao padrão das mensagens do noticiário, os textos se resumem a informar quanto as penalidades ex: repórter (papagaio estatal)- ” O motorista que for pego dirigindo alcoolizado terá que pagar uma multa de R$ 2.934,70 e ainda terá a carteira de habilitação suspensa pelo prazo de 12 meses”.
Informações importantes como:
  • Quanto de álcool?
  • Posso me defender?

São omitidas, trazendo ao ouvinte a idéia de que: se acaso for pego após tomar umas cervejas, automaticamente estará condenado a tudo aquilo que prevê a lei. Seria isso verdade? Não, não é verdade!

O que não é informado é que, do momento em que o motorista é pego até que se realize o que diz o artigo 165, um processo com várias formalidades é iniciado, portanto: ao motorista caberá um amplo direto de defesa.

Um conselho

Se acaso for abordado numa blitz de lei seca, não tente justificar nada ao agente estatal, fique tranquilo, sua defesa não começa ali. Resolva o que tiver que ser resolvido e atenção:  se acaso o nível de álcool estiver acima de um numero ao qual, o artigo se recusa a falar, você será conduzido até a presença de um delegado.

Após chegar em casa, esfrie a cabeça e já comece a pensar na sua defesa.

O autor

Quero compartilhar com você que está lendo este artigo, minha experiência pessoal. Fui pego numa blitz da lei seca, lá no município de Caraguatatuba, resumindo a história: ao chegar em casa já comecei a pesquisar o que eu deveria fazer, afinal, o prejuízo seria grande. Minha busca não era tão confiante assim já que, na minha mente estava programado que nesses casos só caberia a mim a punição e nada mais.

Na minha pesquisa conheci um sujeito chamado José Ricardo Adam, ele se apresentava como profissional de recursos de multas, porém, por incrível que pareça se assumia não advogado. Como confiar em alguém que não é advogado para te defender numa causa contra o Estado?

Confiei porque foi um dos poucos que vi, que tinha uma visão diferente. Contratei a defesa mesmo com poucas esperanças, mais a boa notícia veio: meu recurso foi deferido!

Detalhe do recurso

Na defesa prévia, ele anexou uma petição solicitando a data de validade da inspeção do equipamento utilizado na abordagem. O Estado tinha um prazo para fazer o envio do documento e isso não foi feito. Venci por conta dá própria estrutura criada pelo Estado.

Não baixe a cabeça, sempre recorra!

Veja o vídeo

Você sabe o que é a Escola Austríaca?

 

Nos últimos anos, devido ao acirramento do debate político no Brasil: as pessoas por necessidade de defenderem melhor suas posições fez com que, a busca por informação tivesse um grande aumento.

Diante de tal fenômeno, as pessoas conheceram novos personagens, novas idéias e novas maneiras de se pensar. Porém, uma corrente de pensamento em específico vem conseguindo muitos adeptos na mesma proporção que vem conseguindo críticos.

No caso dos adeptos, em geral, a defesa de tal corrente de pensamento, ora se mostra frágil e no caso dos críticos os argumentos são ainda bem rasos, tudo isso é compreensível já que, como esclarece o inicio do texto, SE TRATA DE ALGO NOVO.

Enfim, o assunto aqui é a Escola Austríaca, para uns fonte de esclarecimento para outros algo inaceitável e para você o que representa essa escola? claro que essa pergunta não pode ser feita antes que essa outra:

Você sabe o que é a Escola Austríaca? 

Pois bem, isso será respondido. Este artigo é destinado a todos aqueles que nunca ouviram falar sobre essa tal escola, e para realizar tal tarefa Fraternalha reuniu alguns  vídeos  que com  certeza responderão a pergunta.

Bom estudo!

 

 

 

Absolvição de Aécio cheira mau

Sim, cheirou mau, para os que ainda entendem que alguma coisa pode se esperar de políticos.

Este artigo não se propõe a falar do jogo que envolveu toda a situação. O ponto aqui é outro. Será uma resposta a uma pessoa que indignada com o desenrolar dos fatos desabafou da seguinte forma:

Aécio Neves Traficante volta pro seu cargo de Senador, enquanto isso traficante de vila fica 8 anos preso em regime fechado; depois tem gente que vem falar de igualdade, pra mim traficante é traficante tem que ter mesmo tratamento, sem isso de foro privilegiado; isso tem que acabar.
#Reformapoliticaja
#EssePovoNaoVaiAcordarNao

 

O desabafo contém um elemento importante: a questão das drogas, que de forma cotidiana é abordada como uma questão policial e jurídica. Por isso, ao menos um pequeno argumento econômico se faz necessário, para que as pessoas possam formar suas opiniões, acerca do tema, com o apoio desse importante conhecimento.

Primeiramente alguns itens importantes para o nosso exercício

  1. As pessoas demandam
  2.  Se há demanda alguém vai produzir
  3. O individuo tem o direito de colocar qualquer substância dentro do seu próprio corpo

O três itens acima, por si só, são incapazes de produzirem o que seria inaceitável sob a ótica libertária: o início de agressão à pessoas.

Em resumo, se eu tenho o direito de consumir quaisquer substâncias, na sequência demandar por essas substâncias e por isso alguém me fornecer essas substâncias, não cabe a um terceiro, por motivos irracionais iniciar violência contra o consumidor ou contra o fornecedor.

Quem seriam os mais prejudicados com a não participação estatal nessa questão?

Aquelas organizações famosas.

Com a repressão policial, somente quem quiser se armar e correr o risco de participar de constantes confrontos, participará desse mercado, veja: se pessoas comuns quiserem se tornar fornecedoras nesse mercado a barreira de entrada praticamente proíbe o empreendimento. Por isso a repressão estatal tem como resultado final, apenas a criação de uma reserva de marcado para essas grande s organizações.

Com o afastamento do Estado nessa questão, pequenos fornecedores surgiriam, e de inicio, o dono do monopólio reagiria, mas, aos poucos a perca de receitas dificultaria a manutenção de funcionários, armas, e matéria prima. O mercado estaria pulverizado. Não haveria motivos para se investir em armamentos e nem se organizar em grupos violentos.

Conforme ocorre a manutenção e aumento da repressão estatal as organizações vão se especializando e ficando cada vez mais violentas. Novos entrantes não são admitidos de forma alguma. Boa parte do dinheiro está sendo investido na segurança da firma e nesse contexto extremamente hostil eis que surge um concorrente: Um individuo extremamente equipado.

O Helicóptero

Só com um helicóptero um concorrente conseguiu competir com as organizações detentoras do monopólio.

Tendo como base esse pequeno argumento econômico o conhecido por traficante, não deve ser tratado como um criminoso no que se refere ao fornecimento de alguma substância.

Lógico que crimes decorrentes da prática, e muitas das vezes praticados por conta das distorções nas relações de troca provocadas pelo Estado, devem ser punidos…

No entanto é de suma importância que sempre orientemos, principalmente as crianças,  sobre os males provocados pelo consumo de drogas.

Quanto ao Aécio, só dele se arrogar detentor do poder de decidir sobre a vida de terceiros (político), caberia a ele não só 8 anos de detenção mas que ele ficasse preso até entender que com a vida de terceiros não se brinca.

 

Passagem aqui é Três! Comprar ou não?

Passagem aqui é três!

Frase bem conhecida pelos usuários da CPTM, é referente à propaganda feita por alguns vendedores, que ofertam passagens por R$ 3,00 enquanto o preço cobrado no guichê da estatal é de R$ 3,80.

E então, comprar ou não comprar por R$ 3,00? Entenda esse tema sob um olhar libertário e se acaso ouvir a referida propaganda, tenha essa visão como ferramental extra para te ajudar a decidir.

Em que caso você não deveria comprar?

Se aquele bilhete foi roubado de outra pessoa, aí fica caracterizado o desrespeito à propriedade privada de terceiros, algo antiético e reprovável, aquele indivíduo que porta o bilhete não está legitimado a realizar essa troca, já que ele não é o real proprietário do produto em questão.

Em que caso você deveria comprar?

Se aqueles vendedores desenvolveram um sistema que consegue desbloquear a catraca, e para isso, se valeram de meios totalmente pacíficos. Além de comprar, você deveria pensar em alguma forma de competir com eles. Belo e moral!

Lembrando que essa abordagem leva em consideração apenas se a propriedade privada foi agredida ou não, que é de onde parte a ética libertária. Aí cabe a cada um um investigar se trata-se de: um caso de inovação ou de desrespeito à propriedade.

Lembre-se: R$ 3,80 é o que é pago través da tarifa. O restante, quem sabe?