A CLT garante o desemprego dos mais jovens

Como terei experiência se ninguém me dá uma oportunidade?

Pergunta feita na maioria das vezes pelos mais jovens, por serem esses, os que encontram maiores dificuldades para ingressarem no mercado de trabalho.

A necessidade de se conseguir uma colocação, muitas das vezes, é para garantir ou complementar o sustento de suas famílias e em outras situações, apenas por terem a necessidade de se sentirem financeiramente livres conquistando a própria renda, mesmo que baixa,  ao mesmo tempo que adquirem a tão exigida experiência.

Sabendo da demanda desse público em específico, alguns núcleos de cunho político, veem aí, um capital, e em geral apontam alguns inimigos que segundo eles são os causadores da falta de oportunidade, dentre eles: empresários, a classe média, o neoliberalismo  ou qualquer “pregador” de livre mercado. Pois bem, este artigo vai tentar explicar o que em  grande parte “É”  a causa desse problema.

ADVANCED SHOES

A ADVANCED SHOES é uma loja de calçados situada na grande São Paulo, o seu proprietário, Senhor Tanaka, observando o dia a dia da loja, chegou a conclusão de que se tivesse em seu quadro de funcionários, uma pessoa que dedicasse tempo integral na organização de toda papelada, gerada durante um dia de trabalho, a operação seria no mínimo mais ágil, e por esse motivo os outros funcionários poderiam empregar maior dedicação em suas funções específicas. A principio, em seu filtro o senhor Tanaka previu alguém sem experiência e com pouca idade, afinal, o serviço seria fácil.

Após a tomada de decisão, o senhor Tanaka solicitou ao recursos humanos (RH) da empresa que abrisse a vaga conforme o perfil das funções que ele descreveu, algumas horas depois o responsável do RH retornou com a seguinte informação: A vaga descrita refere-se ao cargo de auxiliar de escritório e para este cargo o salário é de R$1.200,00 mais impostos somando um total de R$2.600,00. De pronto o senhor Tanaka percebeu a inviabilidade da contratação nos moldes que ele havia planejado e indagou o RH – Qual o minimo que posso pagar? – O RH respondeu- Um salário mínimo mais impostos, isso vai dar em torno de R$1,800.00.

De posse de todas as informações, o senhor Tanaka, resolveu pensar um pouco mais e alguns dias depois chegou a seguinte  conclusão:

– “Já que o custo é de no mínimo R$1.800,00 por que não aumentar a exigência no filtro de qualidades na busca do novo funcionário?”. Pois bem, assim foi feito e a vaga foi anunciada com o seguinte formato:

Auxiliar de Escritório

Masculino/Feminino
Idade: De 25 a 30 anos
Escolaridade: Ensino superior completo, pós graduação em administração será um diferencial.
Idioma: Inglês (nativo) nem precisa falar português.
Conhecimentos: Pacote Office, Autocad, ProTools, Linux, Photoshop e Blockchain BTC
Atividades: Organizar a papelada gerada no dia a dia da loja.
Horário: De segunda a sexta das 8:00 às 17:00 com uma hora de almoço.
Salário: R$ 1,500.00 + vale transporte e vale alimentação de R$300,00.

Os dias se passaram e ninguém se candidatou à vaga, porém a necessidade de se ter o tal profissional era visível e cada vez mais urgente.

Que agonia para quem estava disposto a encarar a função por um salário menor do que impõe a lei, de certo boa parte dos jovens que reclamam da falta de oportunidade topariam por menos de R$ 1,800.00 ou R$1.500,00 ou menos, sim, topariam! O enunciado da vaga excluiu já na segunda linha boa parte dos que mais precisam da primeira oportunidade, mas o que você faria se estivesse no lugar do senhor Tanaka? Desobedeceria a Lei, que determina um Salário mínimo mesmo que a atividade em questão não valha tal preço? De forma totalmente obediente a lei o senhor Tanaka não se propôs a contratar um jovem de forma informal, atitude legítima tendo em  vista como certo: um futuro problema com a “justiça trabalhista”.

Diante da inviabilidade financeira de se contratar alguém de pouca experiência, e, o não interesse de candidatos com o perfil exigido no enunciado, a vaga foi cancelada, porém, a necessidade de alguém para a realização das tarefas continuou e a última alternativa encontrada pelo senhor Tanaka foi a de: designar a tarefa de organizar os papeis aos vendedores que ficaram insatisfeitos, mesmo após as justificativas do patrão.

Em relação ao fato de que a vaga não teve nenhum inscrito

Ao refinar muito o filtro, o senhor Tanaka diminuiu a possibilidade de encontrar alguém disposto a trocar tanta qualificação por um salário tão baixo e certamente esses profissionais estariam a procura de cargos que vão além de organizar papeis, não que a atividade seja indigna, mas seria  muito mais produtivo se fosse realizada  por alguém de menor bagagem. Mais uma vez fica provado que a CLT e o Salário mínimo de fato “protegem” o trabalhador de conseguir um trabalho.

E você jovem, qual atitude tomaria se fosse o senhor Tanaka?

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.