Bolsonaro é o cara certo para a presidência da república?

Bolsonaro

Jair Bolsonaro atua há décadas como parlamentar no Congresso, recebendo assim um gordo salário. As realizações do deputado são poucas frente às expectativas em torno de seu nome como um possível candidato à presidência do Brasil para representar o crescente movimento conservador brasileiro num país à mercê do comunismo e da social-democracia.

Mesmo para os mais ferrenhos críticos do Estado é impossível ignorar a influência desta instituição e é necessário a participação política, caso contrário ela será exercida por totalitários e o resultado dessa omissão é bastante conhecida. Para quem almeja a redução do Estado, direito à defesa e mais responsabilidade, ele parece ser o único disposto a concorrer à presidência.

É necessário entender um pouco o contexto sobre suas poucas realizações. Bolsonaro deixou de ser extremista, como era em 1999 por exemplo, quando, numa entrevista declarou que fecharia o congresso, passou a ter consciência da importância das privatizações e do livre mercado, é extremamente popular entre o povo conservador e bastante impopular entre políticos. Ele é carismático, bem humorado, humilde e receptivo. No entanto, ser impopular entre os políticos não é exatamente um bom sinal. Na recente votação para a presidência da câmara, recebeu apenas quatro votos. Para que haja progresso é necessário poder e Bolsonaro não é atualmente muito poderoso. Fica difícil assim, passar projetos na câmara mesmo que eles sejam de extrema utilidade para o país como são alguns de seus projetos.

Parte da impopularidade do deputado se dá pelas suas declarações polêmicas e muitas, de gosto duvidoso, no entanto, se dá ainda mais pela distorção dos veículos de comunicação e pela tentativa de assassinato de reputação que é bastante comum no jornalismo de péssima qualidade que temos no Brasil, como a Folha de S. Paulo. Aliás, um dos motivos pela qual as redes sociais e os veículos alternativos ganharam tanta força no mundo todo.

Eduardo Cunha é um exemplo de um deputado impopular e que, outrora, foi bastante poderoso e deixou como legado o impeachment de Dilma Rousseff e a votação sobre a redução da maioridade penal. Conseguiu em menos tempo mais realizações do que o deputado Jair Bolsonaro.

No entanto, para concentrar poder na política brasileira parece ser necessário sujar as mãos como fez Cunha e esse não é exatamente o estilo do político conservador mais popular nas redes sociais.

Talvez a melhor forma de Bolsonaro adquirir poder é ganhar visibilidade através de uma eleição para um cargo do executivo e vencê-la ou ficar muito bem posicionado, só assim seria possível contribuir para as pautas tão necessárias para este país como a redução (ou extinção) da maioridade penal, a redução do Estado brasileiro, o fomento ao empreendedorismo, a redução da burocracia, a luta contra o aborto, enfim, há um longo caminho pela frente.

Eduardo Ribeiro
Liberdade, liberdade, abre asas sobre nós. :-D

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.