É possível falar de cristianismo sem falar de Maria?

Maria, mãe de Deus

O ponto mais polêmico entre as diferentes religiões cristãs é sem dúvida a figura da Virgem Maria, mãe de Jesus Cristo e seu papel no cristianismo.

Os católicos veneram Maria e a grande maioria dos protestantes a ignoram. Os protestantes acusam os católicos de idolatrar a figura da Virgem Maria e pela motivação de se opor à igreja de Roma boicotam a figura da mãe de Cristo em seus cultos. Maria praticamente não é sequer mencionada em nenhum culto pentecostal ou calvinista. Mas seria mesmo possível e justo com a história de Cristo ignorar completamente a mãe do próprio Salvador, dona do ventre que gerou o próprio Deus feito homem?

Como a mulher que o amamentou Jesus, que o educou, que é considerada a primeira cristã, que muito provavelmente instruiu os discípulos que ficaram depois da ascensão de Jesus aos céus, que tanto sofreu em função de seu filho, que foi predestinada por Deus antes de sua concepção, pode ser considerada uma mulher comum a ponto de ser esquecida e boicotada? Como pode ser totalmente ignorada dentro dos cultos pentecostais e calvinistas?

Como Cristo feito homem não teve um pai também homem, seu sangue é exatamente o mesmo de Maria. É difícil compreender o quanto a figura de Maria se tornou irrelevante e totalmente dispensável entre a maior parcela dos protestantes.

As discussões sobre o tema são infinitas. Os católicos afirmam que Maria permaneceu virgem após o nascimento de Cristo tendo permanecida imaculada durante toda a sua vida, os protestantes afirmam que não, que Maria, como toda esposa, deitou-se com José e concebeu outros filhos além de Jesus.

No entanto, é preciso salientar, Maria não era como todas as esposas, não era como todas as mulheres. Maria não foi uma mulher comum. Maria teve desde o início da vida uma missão muito especial.

Na bíblia há passagens afirmando a existência de irmãos de Cristo, mas, seria possível, pelo contexto da época e pelas palavras usadas no idioma original e pela intenção do autor humano que a escreveu, afirmar categoricamente que Jesus Cristo teve realmente irmãos de sangue filhos de Maria e José e não primos, por exemplo, como afirmam outras versões? Lendo apenas o texto bíblico não é possível afirmar com toda a certeza, se fosse, não haveria divergência entre católicos e protestantes sobre o tema. A autoria da bíblia é da própria Igreja Católica, seria difícil que a mesma Igreja que a escreveu também a interpretasse de forma tão equivocada assim como se afirma.

A bíblia por si só não contempla toda a história de Maria, José e Jesus. Ela não tem todos os detalhes da vida de Cristo. Para o evangélico não há o que fazer, baseado somente na escritura o protestante tentará chegar a alguma conclusão sobre um tema, já o católico tende a buscar respostas também na tradição cristã, como a questão da devoção mariana, que surgiu na própria igreja primitiva (ver também). É possível afirmar que o carinho e a admiração à Virgem Maria advém mais da tradição cristã do que da bíblia.

Se afirma também entre os evangélicos que Maria ofusca o papel de Cristo. Claro que pode haver certa devoção mais exagerada sobre a Virgem Maria e os motivos podem ser vários. Maria é tão importante no catolicismo justamente por ter gerado o salvador e também é vista como uma auxiliadora, como mediadora, como alguém mais próxima do fiel comum, visto que para um pecador talvez seja mais difícil buscar a Jesus Cristo em sua tamanha magnitude. Maria pode ser vista, do ponto de vista católico, como uma etapa ou uma ferramenta até Cristo.

A importância de Maria não se dá por si mesma, mas começa justamente por ter gerado Jesus Cristo. Até na oração Ave Maria o nome de seu filho é mencionado três vezes: “Senhor”, “Jesus” e “Deus”.

Os protestantes dizem que concordam, “Maria é bem aventurada”, no entanto, há um boicote sistemático contra a figura de Maria dentro destas igrejas, ela nunca é mencionada, provavelmente com receio de serem acusados de idolatria, a acusação que fazem aos católicos em função da devoção mariana.

Seria o propósito de Maria praticamente nulo no cristianismo como tratam os protestantes ou seria Maria uma importante ferramenta de Deus para a conversão do homem?

Este é um dos maiores pontos de divergência que impedem uma proximidade entre cristãos e essa discussão se estenderá até o final dos tempos quando Cristo há de vir buscar o seu povo.

Eduardo Ribeiro
Liberdade, liberdade, abre asas sobre nós. :-D

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.